Arquiteto de Software, quem são eles, onde eles vivem, o que eles fazem?

Metodologias ágeis, padrões de projeto, clean code, SOLID, processos de trabalho corporativos? Estes termos surgem para você como parte do que você quer aprender em sua carreira de desenvolvimento? Então parabéns, pois a partir disso outras coisas virão, continue assim, você poderá ser considerado um arquiteto de software.

Você é um consultor? Um analista de sistemas? Um programador? Segue boas práticas de programação? Pode ser que você seja um arquiteto de software e não está sabendo.

Técnicas, processos, metodologias, alinhamento de negócios e tecnologias, práticas de implementação utilizadas no desenvolvimento de sistemas? Que linha tênue é essa que separa este dito arquiteto do analista de sistemas ou engenheiro de software? A percepção a respeito da real função do que se trabalha pode levar várias denominações e incluo aqui a área de programação de computadores.

Quanto maior a evolução das linguagens em desenvolvimento alto nível, maior a segmentação da área de desenvolvimento (web design, programador, analista (júnior, sênior), tester, engenheiro de software, arquiteto de software, etc) e diante de exigências de mercado, especializações para desenvolvedores com metodologia adequada para desenvolvimento de software.

O ato de arquitetar é imaginarmos que algo antes foi pensado para uma determinada estrutura no intuito de atender uma demanda, projetar, pensar, implementar, manter e seguir. Olhando de forma geral é esperado que o indivíduo tenha experiência em “arquitetar” software, que tenha o “crachá”, “carteirinha”, mas o termo arquiteto de software não tem uma função tão clara quanto um programador ou um analista de sistemas.

Se pararmos para pensar qual o caminho que um programador/desenvolvedor gostaria de seguir em sua carreira de desenvolvimento em soluções você verá que as competências que deverão ser desenvolvidas não está longe das que são definidas para um dito arquiteto de software.

O termo Arquiteto de Software é comumente aplicado para desenvolvedores de arquiteturas Microsoft (Microsoftianas), pois na minha opinião a forma como trabalham os engenheiros e analistas desta plataforma é bem específica quando se trata de montar um projeto a partir de soluções previamente prontas criadas dentro ferramentas que geram códigos cheios de bibliotecas pré compiladas e que não te permitem criar uma grande aplicação apenas escrevendo seu código fonte em documentos de texto, daí acredito sim que seja necessário não são entender de linguagens ou metodologias de desenvolvimento, mas também de saber lidar com um pacote de soluções proprietárias específicas. Também acredito que o termo também é aplicado por questões corporativas para definir suas próprias denominações de postos de trabalho.

Conclusão:

Além de ler, estudar, praticar, o que mais poderia ter um arquiteto de software que um engenheiro ou analista de software não tem? É realmente um profissional raro no mercado este tal arquiteto? Ou apenas mais uma denominação genérica para todos estes profissionais que cumprem o papel de pensar, moldar e criar software seguindo tudo o que é possível ser feito em desenvolvimento de soluções com qualidade?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s